Saúde da mulher

Alterações Fisiológicas Na Gestação

No período da gestação o corpo da mulher sofre diversas alterações fisiológicas com a principal função de acomodação e manutenção da vida fetal, e neste post iremos falar sobre algumas (Alterações endócrinas, cardiorrespiratória e gastrointestinais).

Primeiramente, a maior parte destas alterações fisiológicas na gestação se iniciam no segundo trimestre e se devem as alterações hormonais oriundas do corpo lúteo e da placenta, e também pelo crescimento uterino.

A saber, as mudanças se desenvolvem no sistema circulatório, hematológico, respiratório e gastrintestinal, sistema endócrino, urinário, musculoesquelético e dermatológico. Vamos iniciar nosso resumo falando sobre a parte hormonal, ta?!

ALTERAÇÕES ENDÓCRINAS

Essas mudanças ocorrem principalmente devido à implantação da placenta e a sua função de manutenção da vida fetal. Desse modo, a placenta irá produzir dois tipos de hormônios, os esteroides (estrógeno, progesterona e andrógenos) e os peptídicos (hormônio gonadotrofina coriônica – HCG, hormônio somatotropina placentária e tireotropina placentária).

  • HCG: estimula o corpo lúteo que é responsável por sintetizar o estrógeno e a progesterona, e impedir a rejeição do feto.
  • Somatotropina placentária: contém propriedades lactogênicas, e juntamente com o HCG auxilia na manutenção da integridade anatômica e funcional do corpo lúteo.
    • A saber, irá promover o crescimento fetal, agindo sobre o metabolismo de glicose e gordura materno, diminuindo o uso de glicose pela mãe para desviá-la para o feto. Assim, usando os ácidos graxos materno como fonte energética para a mãe, ao invés da glicose.
  • Progesterona: na gestação inibe a musculatura uterina, impedindo que o feto seja expulso, inibe também a resposta de linfócitos T, para que não haja a rejeição fetal, e promove deposição de nutrientes nas mamas para futura produção do leite materno.
    • Devido à redução do tônus muscular liso, diminuição do peristaltismo, náuseas, constipação, estase urinaria, dilatação de veias e diminuição da pressão arterial diastólica podem estar presentes.
  • Estrógenos: são responsáveis pelo crescimento da musculatura e aumento da vascularização uterina, relaxamento dos ligamentos pélvicos e dilatação dos órgãos sexuais externos, aumento do tamanho das glândulas mamárias e dos níveis de prolactina.
Alterações fisiológicas na gestação
Alterações Fisiológicas na Gestação

ALTERAÇÕES CARDIORRESPIRATÓRIAS

Então, o coração da mulher grávida é deslocado mais para a esquerda e para cima, devido à elevação do diafragma pelo aumento uterino. Há também, aumento da rede vascular do útero pela ação dos estrógenos para manter fluxo sanguíneo adequado da placenta para o feto.

Antes da 15ª semana de gestação o trabalho cardíaco aumenta em 40%, devido à fatores como aumento da volemia e aumento do peso corporal materno. O aumento do volume sanguíneo corre entre a 10ª e 20ª semana gestacional.

Ao mesmo tempo em que há o aumento da frequência cardíaca e do débito cardíaco durante a gravidez, fisiologicamente não ocorre o aumento da pressão arterial, devido à queda da resistência vascular periférica (ação natriurética da progesterona e queda da vasopressina).

Contudo, a compressão das veias pélvicas causa um aumento até três vezes da pressão venosa dos membros inferiores, o que pode gerar edema.
*No entanto, algumas mulheres podem desenvolver hipertensão gestacional.

A partir do quinto mês de gestação é notado diminuição gradativa do volume de reserva respiratório, volume residual e da capacidade residual funcional dos pulmões. A capacidade inspiratória aumenta em 5%.

ALTERAÇÕES GASTRINTESTINAIS

Na boca observa-se hiperatividade das glândulas salivares (sialorréia/hipersalivação). Ocorre também instabilidade dos dentes.

O aumento do útero provoca deslocamento cefálico do estômago. Ocorre também o aumento da secreção do suco gástrico na gravidez que propicia a ocorrência de refluxo, que leva a pirose e possível esofagite.

O intestino delgado se desloca e seu tônus e mobilidade diminuem, prolongando o esvaziamento gástrico e o trânsito intestinal, isso provoca constipação e dificuldade em expulsar as fezes. Há também, o aumento da pressão nas veias abaixo do nível uterino, podendo provocar hemorroidas.

Por fim, como pudemos ver neste post sobre alterações fisiológicas na gestação, o corpo da mulher passa por diversas transformações, e está nem são todas, teremos outro resuminho de continuação.

Referência:
Adaptações fisiológicas do período gestacional, Burti JS et. al., (2006).
Alterações Fisiológicas Maternas da Gravidez, Reis GFF (1993).

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *