Saúde da mulher

Doença Hemolítica Perinatal

Primeiramente, é muito importante que o profissional de saúde, principalmente os da área de saúde da mulher, tenha o conhecimento mínimo de conhecimento sobre a Doença Hemolítica Perinatal (DHP), então este é o tema que iremos discutir neste resumo, Gestantes com Fator Rh negativo.

A DHP também chamada de Eritroblastose fetal, é definida como um tipo de anemia hemolítica que ocorre devido à incompatibilidade sanguínea materno-fetal, pela destruição precoce dos eritrócitos fetais que seguem em direção à circulação materna. Essa migração torna o sistema imune da gestante, sensível, levando à aloimunização, onde o corpo da mãe produz anticorpos que agem sobre os antígenos das hemácias fetais.

Esta reação ocorre, quando gestante fator Rh negativo (antígeno D) e feto Rh positivo (proveniente do pai), onde a mãe em algum momento foi sensibilizada anteriormente, em situação como a transfusão sanguínea incompatível, gestações prévias de feto Rh positivo, ou até mesmo em na sua vida fetal.

Diagnóstico Doença Hemolítica Perinatal

O diagnóstico da DHP ocorre durante o pré-natal, através doa solicitação dos exames laboratoriais. Onde, é verificado o grupo ABO e Rh, juntamente com uma pesquisa de anticorpos pelo teste de Coombs também chamado de teste antiglobulina.

A saber, todas as gestantes devem realizar o rastreio de anticorpos durante o pré-natal, lembrando que no Brasil, o teste de Coombs é realizado durante o segundo trimestre de gestação. Ou, ainda quando no primeiro trimestre identifica-se a mãe com fator Rh negativo.

Teste de Coombs indireto positivo com título ≥ 1/16 para anti-D e qualquer outros antígenos, especialmente o de Kell.

Dopplervelocimetria da artéria cerebral média com medida do pico de velocidade sistólica em cm/seg, com correção do ângulo de insonação. Dessa forma, relaciona-se o valor com anemia fetal moderada e grave.

Tratamento

O tratamento acontece após a identificação da Eritroblastose fetal em gestantes Fator Rh negativo, onde é avaliado se há algum grau de anemia fetal.

Na terapia profilática da aloimunização RhD é utiliza-se a IMUNOGLOBULINA ANTI-D, esta é originada do plasma humano. A eficácia deste tratamento está relacionada à dose correta, período de administração, idade gestacional e quantidade de hemorragia materno-fetal.

Então, está profilaxia pode ser administrada por via intramuscular ou intravenosa. Dessa forma, a imunoglobulina anti-D atravessa a placenta, se liga as hemácias fetais sem causar danos ao feto. Ex.: anemia, hemólise e icterícia.

Doença Hemolítica Perinatal - Imunoglobulina

A saber, de acordo com o Manual Técnico: Gestação de alto risco (2012), cinco em cada mil gestantes apresentam aloimunização materno-fetal. Sendo, as principais causas a falha na administração, dosagem inadequada, uso de drogas endovenosas e transfusões sanguíneas incompatíveis.

A profilaxia da aloimunização deve ser realizada nas seguintes situações:

  • Procedimentos invasivos em mulheres gestantes: amniocentese, cordocentese, biópsia de vilo corial;
  • Aborto, gravidez ectópica ou mola hidatiforme;
  • Após o parto de mulheres com Coombs indireto negativo e recém-nascidos Rh positivo;
  • Após sangramento obstétrico (placenta prévia, por exemplo) com risco de hemorragia feto-materna signi­cativa.

Sendo administrada até 72 horas após o parto, aborto ou outros eventos obstétricos relacionados.

A aloimunização pode causar a hidropisia e o óbito fetal ou neonatal.

TODO feto anêmico deve receber transfusão sanguínea intraútero, para prevenção da hidropsia, pois, esta aumenta o risco de óbito fetal e sequelas neurológicas. Esse procedimento é realizado através da cordocentese e bolsa de sangue específica para este procedimento, sua realização ocorre em um centro de Medicina Fetal.

Isto posto, é muito importante que o profissional seja capacitado e também busque desenvolver e aprimorar seus conhecimentos científicos, para que possa prestar uma assistência de qualidade as suas pacientes. , do planejamento familiar até o pós-parto.

Dessa forma, não se prenda apenas à este resumo, use também as referências no final do texto, livros e outros manuais.

Referencias:

Cunha, TAA et. el.: A Importância das Orientações do Enfermeiro para gestante com Doença Hemolítica Perinatal: revisão integrativa (2020).
Araujo, RR.: Gestantes Com Fator Rh Negativo: A Atuação Do Enfermeiro (2016).
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 5. ed. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.