Diabetes Mellitus Diagnóstico
Saúde do adulto

Diabetes Mellitus Diagnóstico

O Diagnóstico da Diabetes Mellitus (DM) é definido através de exames laboratoriais.

É sabido que, a sintomatologia da diabetes é bem características, sãos os “Quatro Ps”, sendo eles: poliúria, polidipsia, polifagia e perda excessiva de peso sem explicação.

Contudo, esses sintomas podem estar presente na Diabetes tipo 2 porém, são mais comuns no tipo 1, podendo evoluir para cetose, desidratação e acidose metabólica.

Então, geralmente a diabetes Mellitus é diagnóstica após sinais clínicos que levantam a suspeita da doença. Sejam pelos sinais e sintomas ou pelas complicações da doença, como: proteinuria, neuropatia diabética, neuropatia diabética, doença arterioscletóticas.

No entanto, o diagnóstico da doença é baseado na detecção da hiperglicemia e existem quatro tipos de exames que podem ser utilizados para o diagnóstico da Diabetes Mellitus são eles:

A Glicemia Casual, Glicemia De Jejum, Teste de Tolerância a Glicose (TOTG) com sobrecarga de 75g em duas horas e em alguns casos a Hemoglobina Glicada (HbA1C).

Critérios diagnósticos para DM pela Associação Americana de Diabetes e pela Sociedade Brasileira de Diabetes + Ministério da Saúde:

Critérios Diagnóstico DM
  • A Glicemia Capilar é medida pelo plasma, o jejum deve ser feito por pelo menos 8 horas.
  • A Glicemia Casual pode ser realizada a qualquer hora do dia, sem observar intervalo desde a ultima refeição.
  • No TOTG, o paciente ingere uma carga de 75 g de glicose, após um jejum de 8 horas e a glicemia é medida antes de 120 minutos após a ingestão.

Hemoglobina Glicada e Diabetes

  • A Hemoglobina Glicada (HbA1C) é dosada em sangue total, não precisa de jejum para realizar o exame, desse modo, pode ser coletado em qualquer horário.

A HbA1C reflete os níveis glicêmicos pelo percentual de hemoglobina que se encontra ligada a glicose nos últimos 3 a 4 meses.

Assim, a hemoglobina glicada, também é considerado padrão-ouro para monitoração do controle glicêmico dos pacientes em tratamento.

Por último, faz-se importante informar que a Glicemia pós-prandial não tem papel no diagnóstico da DM, já que não há como estabelecer valores de referência adequados.

Fontes:
Caderno de Atenção Básica – Diabetes Mellitus 2013
Diretrizes Sociedade Brasileira de Diabetes 2017/2018

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *