Diabetes Mellitus
Saúde do adulto

Resumo da Diabetes Mellitus

Pâncreas

A princípio para falar sobre Diabetes Mellitus, faz-se importante recordar do Pâncreas. Vamos lá!

Em resumo, o pâncreas é um órgão pequeno, localizado na porção superior do abdome, abaixo do estômago, sendo interligado ao duodeno. É considerado uma glândula anficrina ou glândula mista, ou seja, este órgão tem função endócrina e exócrina.

O pâncreas realiza a síntese do suco pancreático com enzimas que desempenham função na digestão de carboidratos, lipídios e proteínas. A porção endócrina onde estão localizadas as Ilhotas de Langerhans, contêm as células beta que produzem insulina e células alfa que produzem glucagon, ambos atuam na manutenção de glicose no sangue.

Conceito

A Diabetes Mellitus (DM) é um transtorno metabólico ou doença metabólica crônica, caracterizada por níveis aumentados de glicose, ou seja, hiperglicemia e isso ocorre devido à uma deficiência absoluta (produção) ou relativa (ação da insulina/resistência a insulina), ou em ambos.

Epidemiologia

O Brasil é o 4º país com maior número de pessoas com Diabetes Mellitus entre 20 e 79 anos de idade, cerca de 133,5 milhões (2017). São cerca de 4 milhões de mortes por DM na América do Sul e México, sendo metade delas no Brasil.

Complicações

As complicações da DM são em decorrência dos distúrbios microvasculares e macrovascualres.

Complicações da Diabetes Mellitus
Complicações da Diabetes em resumo. Mapa conceitual criado pela autora do blog.

A Doença Cardiovascular (DCV) é a principal e geralmente causa incapacidade do paciente com DM. A Retinopatia Diabética é a primeira causa de perda da visão e a Neuropatia periférica pode causar o pé diabético, amputações, doença coronariana, doença cerebrovascular e doença arterial periférica.

Tipos de Diabetes Mellitus

Diabetes Mellitus tipo 1

A Diabetes Mellitus tipo 1 (DM1) é uma doença autoimune, caracterizada pela destruição das células β do pâncreas que por sua vez, que em seguida, causa deficiência completa na produção metabólica da insulina, assim sendo, o indivíduo se torna insulinodependente. Cerca de 30 mil brasileiros são portadores da DM1, que pode ser diagnosticada na infância, adolescência ou em alguns jovens adultos. Este tipo é subdividido em outros dois, são eles:

DM1A: é considerada a mais frequente, sendo confirmada pela presença de um ou mais autoanticorpos. Ex.: antidescarboxilase do ácido glutâmico (anti-GAD), anti-ilhotas e anti-insulina.
Os fatores de risco são a predisposição genética, fatores ambientais externos que desencadeiam a resposta autoimune (infecções virais, componentes dietéticos). Portanto, esses pacientes tendem a apresentar hipoglicemia grave ou cetoacidose diabética.

DM1B: é considerada idiopática, os autoanticorpos não são identificados e há necessidade de insulinoterapia plena.

Diabetes Mellitus tipo 2

A Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2) é de início insidioso com sintomas brandos, ocorre deficiência na produção da insulina e resistência à ação da insulina. A cetoacidose é rara nesses pacientes. Os fatores de risco são: a hereditariedade, obesidade, sedentarismo, diagnóstico prévio de pré-diabetes ou DM gestacional, hipertensão arterial sistêmica e dislipidemia.

Curiosidade: a disposição da adiposidade corporal é visceral, desse modo, quando esse tecido é hipertrofiado produz cetonas pró-inflamatórias que gera resistência à insulina.

Isto posto, o rastreamento deve ser feito a cada 3 anos para indivíduos com fator de risco mas com exames laboratoriais normais.

Sintomatologia da Diabetes Mellitus tipo 2

Os principais sintomas são: poliúria, polidipsia, polifagia e emagrecimento excessivo sem nenhuma causa.

Diabetes Mellitus Gestacional

A Diabetes Mellitus Gestacional é a diabetes diagnosticada pela primeira vez durante a gestação, entretanto, é mais provável ocorrer após a 24ª semana de gestação e que não é um diabetes prévio (DM1 ou DM2). É considerada uma intolerância à carboidratos de graus de intensidade variados, podendo ou não persistir após o parto.

Classificação Diabetes Mellitus Gestacional

A DMG pode ser classificada de duas formas:

Diabetes Gestacional ou Diabetes da gestação, nesse sentido, quando é diagnosticada pela primeira vez durante a gravidez; e

Diabetes pré-gestacional ou Diabetes na gestação, quando a paciente já é diagnosticada previamente com Diabetes Mellitus tipo 1 ou 2.

Critérios diagnósticos para DM pela Sociedade Brasileira de Diabetes

Níveis glicêmicos para diagnosticar a Diabetes Mellitus
* Teste Oral de Tolerância à Glicose
** Hemoglobina Glicada

Prevenção da Diabetes

A prevenção da Diabetes pode ser feita de três formas, são elas:

  • Primária: através do rastreio, identificando uma pré-diabetes e adequando o estilo de vida.
  • Secundária: através da prevenção das complicações.
  • Terciária: pela reabilitação e limitação das incapacidades decorrentes das complicações da DM.

Fontes:

Diretrizes sociedade brasileira de diabetes 2017/2018
Atlas Diabetes Mellitus no Brasil em 2017
Caderno de Atenção Básica Diabetes Mellitus 2013

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *